Contos Republicanos: Stenio na casa do Pedrinho

É fato conhecido já de longa data os problemas infra-estruturais do banheiro da Republica. Talvez os encanamentos antigos sejam mais estreitos ou tortuosos, mas o fato é que vira e mexe (leia-se a cada visita prolongada ao trono) o vaso entope. No inicio era difícil lidar com a situação… Ver a água subindo a uma velocidade fora de controle (acima e alem) da a nítida impressão de que um alagamento estará prestes a acontecer. Não bastasse o alagamento em si, haveria submarinos reconhecendo o local.

No entanto, com um pouco de habilidade e experiência eh possível controlar o nível, freqüência e intensidade da descarga… Coisa que os visitantes desconhecem.

Era uma tarde de um sábado movimentado devido à presença de muitos alunos da organização de um encontro estudantil na faculdade da Vanessa. Eis que uma amiga (não moradora) adentrou o quarto com um certo ar tenso e indagador chamando meu nome. Eu que acordava do meu décimo sono na ocasião, não captei muito bem a informação, mas segue o dialogo:

Amiga (não moradora): Aconteceu alguma coisa estranha no banheiro?

Eu: Não…

Amiga (não moradora): Humm… Nada que você tenha visto de errado?

Eu (já imaginando o problema corriqueiro): Ah… Às vezes o vaso entope…

Amiga (não moradora): Ah, mas você viu alguma coisa na lixeira?

Eu: Lixeira? Não…

(nesse momento confesso minha curiosidade… logo esvaída pelos sono que me tomava)

Amiga (não moradora): Ah, ta então tudo bem… É q aconteceu um acidente aqui, mas ta tudo bem…

Virei pro lado e dormi.

No dia seguinte, a amiga (não moradora) me descreve a seguinte situação com muita serenidade e ate alguma piedade no tom de voz:

“Um amigo pediu pra usar a internet da Vanessa aqui na republica. Em um dado momento ele pediu pra usar o banheiro. Algum tempo depois, fui lá também. No momento em que abri a lixeira me deparei com um pedaço de coco fresco… Pensei: É um pedaço de coco consideravelmente grande… a pessoa não faria isso nessa lixeira… Ela deve ter pego do vaso e posto aqui… mas porque ela o faria? Nesse momento, fui conferir o andamento da descarga e tudo se fez claro na minha mente. O coco voltou. Num ato de desespero, Stenio retirou seu coco do vaso e depositou friamente na lixeira. Pobre dele… deve ter ido ao banheiro tão confiante de que estava seguro e que ninguém saberia do seu feito…”

Eu: Mas Amiga (não moradora), como se resolveu o problema? Eu lembro de ter ido lá mais tarde e não ter visto nada…

Amiga (não moradora): Pois é, ai é que ta… Desapareceu, depois voltei lá e não vi mais… Não sei se alguém tirou… Num sei…

Depois de perguntar do paradeiro do coco a mais pessoas, nenhuma delas soube responder e sequer sabiam do ocorrido… Como disse a moradora Carol (fazendo menção a sua celebre exclamação quando seus pertences desaparecem): “Foi o Saci que roubou!!” Figurinha conhecida já de longa data… Mas isso eh um outro conto republicano…

saci

Anúncios

~ por maiahloren em 31/05/2009.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: